Conecte-se Conosco

Saúde

Como ajudar no desenvolvimento de crianças com T21, a “Síndrome de Down”

Publicado

em

Especialista dá orientações para pais e familiares de crianças com comprometimentos no desenvolvimento e deficiência 

A T21 (Trissomia do Cromossomo 21), nomenclatura que vem sendo cada vez mais utilizada para a então chamada “Síndrome de Down”, é uma condição genética que acontece no momento da concepção. Ela é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou em grande parte das células, e os indivíduos que a possuem têm traços físicos comuns e deficiência intelectual, porém com personalidades e habilidades únicas.

De acordo com o Centro Síndrome de Down (CESD), estima-se que no Brasil haja cerca de 300 mil pessoas com T21 e em todos os casos, é importante que recebam os estímulos adequados desde cedo para que possam desenvolver habilidades pessoais, conquistar autonomia e independência. Mas como ajudar nesse desenvolvimento?

Segundo Patrícia Stankowich, psicanalista, psicóloga e especialista na clínica de crianças com comprometimentos no desenvolvimento e deficiência, pais e familiares que são estimuladores e acreditam na capacidade dos filhos fazem toda a diferença nos processos de crescimento e aprendizagem das crianças com T21. “O estímulo deve começar em casa, continuar na escola e em todos os lugares de convivência. É importante que os indivíduos saibam se virar com as situações do dia a dia, trabalhar e até mesmo morar sozinhos, ainda que com apoio externo”, avalia.

A especialista afirma que é importante começar o processo de estímulo o quanto antes. Ou seja, pais e familiares de crianças com T21 devem promover o acesso às terapias desde o nascimento, provendo as intervenções precoces facilitadas por uma equipe multiprofissional com especialistas em terapia ocupacional, fisioterapia e fonoaudiologia, os quais irão promover experiências sensório-motoras que vão intervir na maturação da criança. “São condições necessárias para conseguir uma reação dinâmica com o meio em que vive, favorecendo o desenvolvimento e a aquisição de habilidades, promovendo funcionalidade e independência, dando escolhas a essas crianças no seu percurso de desenvolvimento para mais autonomia e melhor qualidade de vida”, explica.

Também é importante levar a criança a ambientes com brinquedos, atividades e interações que ajudem no desenvolvimento motor, cognitivo e emocional, assim como incentivar a realização de práticas esportivas e a participação em jogos estimulantes para favorecer e promover experiências com outras crianças, possibilitando a construção de vínculos afetivos”, sugere Patrícia.

A psicóloga e psicanalista orienta que seja escolhida uma escola que tenha uma estrutura que ofereça não só estratégias pedagógicas adaptativas e inclusivas, mas que promova o acolhimento e o respeito à diversidade. “É importante entender que as crianças com T21 podem precisar de mais tempo para aprender, mas têm grande potencial de desenvolvimento. A disponibilidade da família, com empatia e amor, deve respeitar o tempo e os limites da criança”, diz.

Para Patrícia, outra questão essencial é incentivar a independência desde cedo. “Estimule a criança a realizar algumas atividades diárias sozinha, como se vestir e comer. Lembre de traçar metas realistas. Cada caso é um caso, por isso cada pequena conquista deve ser celebrada, sem a necessidade de comparações”, aponta.

A especialista enfatiza, por fim, que é crucial contar com profissionais de uma equipe multiprofissional, tais como terapeutas, educadores, grupos de ajuda e outros pais de crianças com a síndrome, no processo de desenvolvimento da criança. No entanto, vale frisar sobre a importância do psicólogo. “A participação deste profissional é extremamente necessária, antes mesmo de a criança ser capaz de participar de uma sessão de psicologia, uma vez que o acolhimento e orientação aos pais é fundamental na construção de uma harmonia familiar que facilitará todo o processo de desenvolvimento e autonomia da criança”, conclui.

Sobre Patrícia Stankowich
Psicanalista, graduada em Filosofia pela UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto) e também em Psicologia. Pós Graduada em Psicologia Jurídica e Mestre em Psicologia da Saúde. Facilitadora em Capacitações nas áreas da Saúde e Educação, com ênfase nas temáticas sobre Infância, Adolescência e Inclusão. Pesquisadora na área da Psicologia da Saúde. Realiza atendimento clínico a adultos. Especialista na clínica de crianças com comprometimentos no desenvolvimento e deficiência. Palestrante. Escritora. Autora do livro “Como pimenta mastigada”; coautora dos livros “O aprendiz de psicanálise” e “Sexuação & Identidade”, além de livros de poesia. Autora do Projeto +Inclusão. Colunista na rádio CBN Maceió com Podcast nas plataformas do Spotify e Deezer e YouTube. Malabarista de palavras, circense de nascença, apaixonada pela arte, leitura e pela mente humana. Para saber mais acesse o instagram.

Continue lendo
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mês Internacional da Endometriose: Mulheres compartilham suas histórias e experiências com a doença

Publicado

em

De

Maio marca a mobilização global pela conscientização e combate à endometriose

No Dia Internacional da Luta contra a Endometriose, celebrado em 7 de maio, mulheres de diferentes idades e origens se unem para compartilhar suas histórias e experiências com a doença, que afeta cerca de 6 milhões de mulheres brasileiras. Através de suas vozes, elas buscam aumentar a visibilidade da endometriose, combater o estigma e a desinformação, e incentivar o diagnóstico precoce e o tratamento adequado.

Simone Bergami, paciente de 39 anos, conta como a endometriose a impedia de realizar atividades simples do dia a dia, como caminhar na areia da praia, andar descalça ou usar o calçado que quisesse. “A dor era tão intensa que eu precisava parar tudo e descansar. Eu não entendia o que estava acontecendo comigo”, relata.

O diagnóstico correto de endometriose profunda em 2017 foi um divisor de águas na vida de Simone. “Depois de descobrir o que eu tinha, me senti livre. Livre porque finalmente entendi o que estava acontecendo comigo e pude começar a buscar tratamento adequado”, afirma.

Valéria Carbonato, nutricionista diagnosticada com endometriose, destaca em sua experiência a importância da alimentação anti-inflamatória no controle dos sintomas da endometriose. “Como nutricionista, pude entender como a dieta pode contribuir para a redução da dor e do desconforto. É fundamental buscar orientação profissional para desenvolver um plano alimentar personalizado”, orienta.

Espacialista na doença, o ginecologista Dr. Cláudio Crispi Jr., diretor do Instituto Crispi, centro de excelência no tratamento e diagnóstico de endometriose no Brasil, explica que a doença é caracterizada pela presença de tecido endometrial fora do útero, causando diversos sintomas, como dor pélvica intensa, infertilidade e fadiga. “O diagnóstico da endometriose pode ser desafiador, pois os sintomas variam de mulher para mulher. É importante que as mulheres estejam atentas aos sinais e busquem ajuda médica especializada”, alerta o Dr. Cláudio Crispi Jr.

O especialista detalha as opções de tratamento disponíveis

  • Medicamentos: podem ser utilizados para controlar a dor, reduzir a inflamação e regular o ciclo menstrual.
  • Cirurgia: pode ser indicada para remover o tecido endometrial e aliviar os sintomas.
  • Tratamentos complementares: como acupuntura, fisioterapia e terapia psicológica, podem auxiliar no controle da dor e na melhora da qualidade de vida.

Dr. Crispi enfatiza a importância do diagnóstico precoce e do tratamento individualizado:

“A endometriose é uma doença complexa e multifatorial. Cada caso é único e o tratamento deve ser adaptado às necessidades e características de cada paciente. O acompanhamento médico regular é fundamental para monitorar a doença e garantir o melhor resultado possível.

Juntas por um futuro sem dor

A luta contra a endometriose ainda é longa, mas a união de mulheres como Simone, especialistas como Dr. Cláudio Crispi Jr. e da comunidade médica em geral é um passo importante para garantir que todas as mulheres que sofrem com a doença tenham acesso ao diagnóstico precoce, tratamento adequado e informação de qualidade.

Continue lendo

Saúde

Médicas mais conceituadas do Brasil participam de evento sobre menopausa

Publicado

em

De

Criada por Renata de Paula e María Laura Babikian, a plataforma de conteúdo Vênus Talks apresenta dia 21 de maio seu primeiro encontro no Rosewood São Paulo, com presença da Dra. Adriana Vilarinho, Dra. Flávia Fairbanks, Dra. Carmita Abdo e Dra. Ana Priscila Soggia

O protagonismo cada vez maior da mulher na sociedade e no mercado de trabalho fomenta uma importante conversa sobre a menopausa. Assim surgiu a Vênus Talks, plataforma de conteúdo dedicada à saúde da mulher 45+. Criada pela empresária social Renata Paula e a consultora e palestrante María Laura Babikian, do “O Caminho do Encontro”, o projeto nasceu das suas histórias pessoais e do reconhecimento da necessidade de diálogo franco e livre de tabus, apoio e orientação científica para mulheres que estão passando por essa fase.

Dia 21 de maio será realizado o Primeiro Vênus Day Talks, encontro que pretende reunir 200 mulheres 45+ no Hotel Rosewood São Paulo para dialogarem sobre o tema e planejarem sua longevidade com qualidade e acolhimento. O evento terá uma manhã de palestras, encontros e trocas com a participação de médicas respeitadas no país como palestrantes e convidadas, acostumadas a tratar pacientes famosos como Gisele Bündchen, Adriane Galisteu, Grazi Massafera, Reynaldo Gianecchini, Cristiana Arcangeli, família Diniz, etc.

Serão quatro talks principais com especialistas e uma mesa redonda com convidadas especiais. Em um primeiro momento, a ginecologista Dra. Flávia Fairbanks oferece uma visão 360º da menopausa; em seguida, a dermatologista Dra. Adriana Vilarinho faz análise do que acontece com a pele, unhas e cabelos na mulher madura e explica como combater ou amenizar esses efeitos; então, a endocrinologista Dra. Ana Priscila Soggia organiza uma conversa sobre metabolismo geral, ganho de peso e alterações na tireoide; e, por último, a psiquiatra Dra. Carmita Abdo encerra os talks com uma conversa sobre saúde mental , emocional e relacional: riscos e possibilidades, na menopausa e no envelhecimento. Uma mesa redonda encerra a programação. “Temas importantes que sozinhos já seriam motivos de termos um dia inteiro de conversa, mas reunimos nesta manhã quatro assuntos importantes, relevantes e de peso para a saúde da mulher”, revela Renata.

“Vênus Talks oferece mais do que informação, fornece conhecimento científico rigoroso, insights de especialistas e a empatia de quem já trilhou esse caminho. Nosso propósito é ser o espaço de acolhimento e troca para que cada mulher se sinta vista, ouvida e capaz de navegar a maturidade com dignidade e alegria”, explica Renata.

As inscrições já estão abertas e interessadas podem comprar seu ingresso no site oficial. Além deste, outros dois encontros já estão planejados para o segundo semestre de 2024 e uma edição especial 100% beneficente, em que os ingressos deste primeiro talk servirão de fundo para o evento beneficente. A cada 2 ingressos vendidos, 1 vai custear a edição gratuita para o público de baixa renda.

Serviço:
Data: 21/05/2024, Valor: R$ 1.450,00, Horário: das 9h às 15.30
Local: Rosewood São Paulo – Rua Itapeva, 435, Bela Vista, São Paulo – SP
Ingresso: https://www.e-inscricao.com/venustalks/daytalks

Continue lendo

Saúde

Psiquiatra Moises Groisman lança seu 14º livro: “Tô Loco, Dotô? Do Diagnóstico Psiquiátrico ao Diagnóstico Sistêmico”

Publicado

em

De

Referência na terapia familiar sistêmica, ele contesta o diagnóstico  psiquiátrico apoiado apenas na sintomatologia do paciente

No seu novo livro “Tô Loco, Dotô? Do Diagnóstico Psiquiátrico ao Diagnóstico Sistêmico”, o psiquiatra, psicanalista e terapeuta familiar, Moises Groisman, considerado uma referência em terapia familiar sistêmica, contesta o diagnóstico psiquiátrico, que é individual, apoiado apenas na sintomatologia do paciente, e defende a utilização do diagnóstico sistêmico (presença interna e externa da família). O lançamento pela Núcleo-Pesquisas Editora acontece em dois dias diferentes: neste sábado (18) e dia 24 de maio, ambos online, com workshop sobre o livro.

Baseado em histórias reais, o livro ressalta a evidência da importância da presença da família no contexto terapêutico e assinala que são pacientes que, caso permanecessem somente com o diagnóstico psiquiátrico estariam condenados a uma cronicidade, sem utilidade social, ou a uma vida com alcances limitados.

“Escolhi o dia 18 para o primeiro dia de lançamento e workshop sobre o livro, porque é o dia da luta Antimanicomial. Gostaria de convocar meus colegas de profissão0 para continuarem a torcer junto comigo para que os diagnósticos psiquiátricos não invalidem as pessoas e se tornem rótulos ambulantes”, explica Moises Groisman. 

Em 2015, Groisman já havia falado sobre o uso indiscriminado de medicação psiquiátrica no livro “Terapia familiar breve na infância e na adolescência, sem remédios, sem terapia individual”, onde cunhou a expressão medicalização das emoções, quando se referiu ao uso indiscriminado de medicação psiquiátrica no tratamento de sintomas emocionais apresentados por crianças e adolescentes.

Segundo ele, essa medicação é resultado de um diagnóstico psiquiátrico efetuado através de uma avaliação/leitura individual da sintomatologia exposta por esses clientes. 

“O que é um contraste, devido ao fato de que eles – crianças, adolescentes, dependentes econômicos (de qualquer idade) – estão mergulhados no contexto familiar, e, dessa maneira, sujeitos diariamente aos estresses que ocorrem no seu interior. Não somente eles, mas também qualquer de nós, em diferentes faixas etárias, na medida em que nascemos e nos desenvolvemos em uma família biológica ou substituta, e criamos, ou não, outra família”, indica o autor.

Nove anos depois do lançamento desse livro, as ideias expostas pelo psiquiatra Moises Groisman continuam atuais, e foram ampliadas, ao incluírem a questão da contestação do diagnóstico psiquiátrico; o que leva à necessidade de realizar o diagnóstico sistêmico (presença externa ou interna da família).

“A proposta de realizar o diagnóstico sistêmico, que, para mim, é óbvia, certamente não o é para a maioria dos profissionais. Na minha opinião, não deveria haver a dicotomia indivíduo/família, já que são interdependentes”, afirma Groisman.

Sobre o psiquiatra Moises Groisman

Moises Groisman, de 84 anos, é médico-psiquiatra (1964) e psicanalista (1975). Atua como terapeuta familiar e de casal desde 1983, tendo feito especialização no Istituto di Terapia Familiare (Roma). É um dos pioneiros da terapia familiar no Brasil, sendo fundador e diretor da Núcleo-Pesquisas (1985), instituição de pesquisa, atendimento e formação de terapeutas familiares mais antiga em atividade no país.

É o criador do modelo sistêmico-vivencial de terapia familiar breve (único modelo original brasileiro de terapia familiar). Produziu 50 vídeos científicos de terapia familiar, resultado de seus atendimentos, que exibe e debate em seus cursos. Criou uma coleção de exercícios sistêmicos-vivenciais e sistêmicos-racionais, aos quais deu o nome de Teatro Familiar, que são realizados pelos alunos no curso de formação e nos cursos de atualização.

É autor e coautor de vários livros, entre eles, “Adolescência e Saúde Mental”; “Família, Trama e Terapia”; Histórias Dramáticas”; “Família é Deus”; “Além do Paraíso”; “Código da Família”; “Terapia Familiar Breve na Infância e na Adolescência”; “A Cruz Familiar” e “Terapia Familiar do Luto”.

Continue lendo
Propaganda

Destaque