Conecte-se Conosco

Negócios

Faturamento do e-commerce brasileiro tem alta de 27%

Publicado

em

O e-commerce brasileiro registrou um faturamento recorde em 2021, totalizando mais de R$ 161 bilhões, um crescimento de 26,9% em relação ao ano anterior. O número de pedidos aumentou 16,9%, com 353 milhões de entregas, segundo levantamento da Neotrust, empresa responsável pelo monitoramento do e-commerce brasileiro. O valor médio por compra também registrou aumento de 8,6% em relação a 2020, atingindo a média de R$ 455.

No balanço trimestral, um dos destaques é o aumento no número de pedidos do primeiro trimestre, que passou de 49,9 milhões em 2020 para 78,5 milhões em 2021.

“O varejo on-line continua com tendência de crescimento, mesmo após a flexibilização das restrições devido à pandemia e a retomada gradual do comércio físico. Apenas no quarto trimestre de 2021, foram realizados 101,6 milhões de pedidos, contra 86,6 milhões em 2020. O faturamento atingiu R$ 46,4 bilhões em 2021, contra R$ 38,7 bilhões em 2020”, destaca Paulina Dias, líder da área de inteligência da Neotrust, responsável por fazer levantamentos e análises referentes ao varejo on-line.

As categorias com mais pedidos feitos em 2021 são: moda, beleza e perfumaria, e saúde – que apresentou crescimento de 87% no faturamento de venda de remédios pela Internet.

Celulares, eletrodomésticos e eletroeletrônicos foram os segmentos com maior faturamento no ano passado. As regiões de maior destaque são o Sudeste, que concentrou 62,3% das encomendas de 2021, e o Nordeste, com 15,1% – o equivalente a 3,5 pontos percentuais a mais que em 2020 para a região.

Os resultados por gênero indicam que as mulheres respondem por 58,9% dos pedidos, frente a 41,1% dos homens. O ticket médio feminino, porém, é menor que o masculino: R$ 387 contra R$ 552, respectivamente.

O índice por idade demonstra que as compras on-line vêm predominantemente da faixa etária dos 36 a 50 anos, representando 34,9%, e dos 26 a 35 anos, representando 32,1% do volume total. Já as compras feitas por pessoas com mais de 51 anos passaram de 15,5% em 2020 para 16,6% em 2021.

O levantamento mostrou ainda que o cartão de crédito continua sendo a forma de pagamento preferencial dos brasileiros no e-commerce.

69,7% das compras foram feitas com cartão de crédito,
16,9% com boleto bancário,
11,1% com outras formas de pagamento (como wallet e cashback)
2,3% via PIX.

Embora ainda sejam pouco expressivos, os pedidos pagos com PIX aumentaram em 2021: em janeiro representavam 1% entre todos os meios de pagamento e em dezembro atingiram 4%.

Receita deve crescer em 2022

Segundo projeção da empresa para 2022, a receita do e-commerce deve crescer cerca de 9%, atingindo um faturamento recorde de R$ 174 bilhões neste ano. Porém, a inflação, o dólar alto e a projeção pessimista do PIB brasileiro são fatores que podem impactar negativamente o crescimento do varejo on-line.

A expectativa é que os pedidos pela Internet aumentem em 8%, totalizando 379 milhões de compras. Já o ticket médio deve se manter estável, com aumento de cerca de 1%, estimado em R$ 460 por pessoa.

As categorias que mais devem crescer são:

Eletrônicos (21%),
Eletro portáteis (19%),
Alimentos e bebidas (18%).

Já os segmentos de maior faturamento devem ser:

Telefonia (R$ 32,4 bilhões),
Eletrodomésticos (R$ 23,7 bilhões)
Eletrônicos (R$ 18,6 bilhões).

“Para 2022 é esperado que haja uma expansão no marketplace, com as empresas mais preparadas para este canal. Outra tendência é a melhoria na interação do físico com o digital, que irá permitir mais eficiência nas compras e na relação do consumidor com a loja”, analisa Fabrício Dantas, CEO da Neotrust.

“Em relação aos pagamentos, as carteiras digitais e o PIX devem continuar em alta, de forma a ampliar sua participação no e-commerce. Com um mercado cada vez mais competitivo, o varejo on-line deve apostar em fretes mais rápidos e funcionais, por exemplo, como forma de atrair e reter clientes”, explica Dantas.

Novos consumidores para o e-commerce

A pandemia da COVID-19 acelerou a migração das pessoas para o consumo digital. Uma pesquisa feita pela consultoria Ebit/Nielsen, em parceria com o Bexs Banco, mostra que o e-commerce do Brasil cresceu, em 2020, 41% e ganhou novos 13 milhões de consumidores. O avanço foi possibilitado pelo fechamento das lojas físicas e medidas de restrição de circulação.

A expectativa é de crescimento do comércio eletrônico entre os brasileiros para os próximos anos. De acordo com a pesquisa Future of Retail, feita pela Euromonitor International e o Google, a projeção de crescimento entre 2021 a 2025 é de 42%. E levantamento também aponta que 25% dos novos consumidores são da geração Z, nascidos entre 1995 e 2010.

“O brasileiro está se adaptando ao ambiente de compras on-line, e um ponto bastante curioso é que, embora as restrições da COVID tenham impulsionado-as, o e-commerce concretizou suas projeções de crescimento para os próximos anos, mesmo depois do fim da pandemia”, explica Leiza Oliveira, CEO da Minds Idiomas.

Segundo a empresa, dois em cada 10 brasileiros compram cursos via web.

“Esse crescimento está ligado não só ao fato das pessoas terem o costume de colocar em prática seus planejamentos e suas metas no início do ano, como também à onda de adeptos ao e-commerce, que chegou para facilitar e agilizar o processo de compra no mercado”, conclui Leiza.

Mas, ela ressalta que o consumidor é sensível ao valor do frete. Quanto maior o valor para envio da mercadoria, maior é a chance de uma reclamação sobre qualquer aspecto da compra.

Produtos com o frete grátis resultaram em 43% dos pedidos feitos, tendo apenas 5,9% de queixas, se revelando um grande motor para o comércio eletrônico.

Negócios

Operação Sufoco por Bruno Assunção

Publicado

em

De

O governador Rodrigo Garcia (PSDB) anunciou na última quarta-feira (4), que ira dobrar o número de policiais na capital paulista, região metropolitana e em todas as cidades do interior. Nomeada de Operação Sufoco, a ação visa combater crimes contra o patrimônio, golpes de Pix, furtos e roubos feitos através de falsos entregadores de app.

A operação deve impactar trânsito nas cidades, o governo pediu a colaboração de toda a população. “Bandidos que se escondem atrás de capacete, terão que mudar de profissão ou estado porque a polícia vai atrás deles e prendê-los. Bandido que levantar arma para polícia vai levar bala”, afirmou o governador.

Um dos casos mais recentes chocou o Brasil, a morte de Renan Loureiro, de 20 anos. atingido por quatro disparos, um deles na cabeça, durante assalto no Jabaquara, zona sul de São Paulo. O crime aconteceu na frente da namorada da vítima

” A criminalidade deve ser combatida com pulso firme, deve se dar a policia respaldo e ferramentas, principalmente para suas ações investigativas, agir inteligência e uso da tecnologia a favor da justiça.Além do aumento do efetivo o governo deve priorizar o investimento nas instituições policiais seja no salario pela peliculosidade da carreira bem com na estrutura e no preparo dos policiais. Para evitar abuso de autoridade e ações desastrosas hoje a tecnologia junto as BodyCams instaladas ao colete dos policiais também dão respaldo ao averiguado que também merece respeito na abordagem até que se prove qualquer ação ilicita praticada pelo mesmo… ” Comenta Bruno Assunção, jovem e empresário que anteriormente se candidatou a vereador pelo município de São Paulo. Bruno Assunção se tornou conhecido por liderar a representação de aplicações tecnológicas de segurança, chegou a levar em diversas instituições políticas solução de combate ao feminicidio e a violência contra a mulher.

No inicio desta semana, houve uma reunião, no Palácio dos Bandeirantes, entre as forças de segurança e os representantes das empresas de app de delivery. Foram discutidas diversas medidas de efeito imediato para combate a crimes cometidos por falsos entregadores.

Assessoria de imprensa: Maicon Lacerda / @power_businessbr

Continue lendo

Negócios

Curso ensina como faturar R$5 mil por mês com OnlyFans

Publicado

em

De

Com o aumento da utilização da internet, impulsionado principalmente pela pandemia, novas profissões surgiram no meio digital. Depois do YouTube dar origem aos youtubers e o Instagram dar origem aos influenciadores, chegou a vez do OnlyFans dar origem à uma nova profissão: a criadora de conteúdo adulto.

Se engana quem pensa que OnlyFans dá dinheiro rápido e fácil. As criadoras de conteúdo adulto precisam pesquisar referências e exercitar a criatividade para criar roteiros de vídeos que despertem a curiosidade do assinante, além de ter que produzir um alto volume de conteúdo semanalmente para conseguir manter o assinante na plataforma. Além disso, elas também são responsáveis pelo próprio marketing, buscando sempre maneiras inovadoras de atrair pessoas para conhecer seu trabalho. 

“O mito de que OnlyFans dá dinheiro fácil acabou se criando por causa de notícias de famosas que conseguem faturar alto logo ao entrar na plataforma, mas a realidade das demais criadoras é que os assinantes são conquistados aos poucos através de um trabalho que requer dedicação e profissionalização”, afirma Pedro Albuquerque, Fundador da Santa Caliente, maior agência de criadoras de conteúdo adulto do Brasil.

E foi pensando nisso que a Santa Caliente decidiu homenagear o Dia do Trabalho, lançado no dia 1 de Maio um curso profissionalizante para OnlyFans. O curso online foi desenvolvido através de experiências práticas com mais de 30 criadoras de conteúdo que passaram pela agência e prova que não é necessário ser famosa ou influencer para dar certo, uma vez que todas as criadoras da agência conseguiram atingir o faturamento mensal de R$5 mil em menos de 6 meses. 

“Utilizamos uma metodologia desenvolvida especificamente para criadoras de conteúdo adulto chamado Fluxo dos 4 E’s (Encontrar, Encantar, Entreter e Engajar), que nada mais é do que uma adaptação do funil de vendas para a realidade do OnlyFans”, revela Pedro.

A profissão de criadora de conteúdo adulto ainda carrega um pouco de estigma, mas é graças à famosas como Anitta, MC Mirella e Tati Zaqui, que já ingressaram no OnlyFans, que cada vez menos se tem preconceito com garotas que utilizam a plataforma como principal fonte de renda. 

Sobre o Santa Caliente

Santa Caliente é a maior agência de modelos e criadoras de conteúdo adulto do Brasil. A agência presta assessoria para que modelos possam crescer de forma acelerada e atingir suas metas financeiras através da criação de conteúdo adulto em plataformas de conteúdo exclusivo.

Sobre o curso

“A Melhor Profissão do Mundo” é um curso com 5 módulos que ensina sobre marca pessoal, configuração e produção de conteúdo para OnlyFans, marketing, vendas, cronograma de trabalho, e muito mais. 

A promessa do curso é que qualquer mulher que se dedicar 3 horas por dia irá faturar R$5 mil por mês em um prazo de até 6 meses. O curso é online e requer um investimento de R$297 à vista ou 12x R$29,70 mensais.

Continue lendo

Negócios

MNTZ Bens se une com escritório da XP Investimentos e oferece empréstimo com taxas baixas

Publicado

em

De

A monetizadora de crédito se junta com escritório da XP e oferece seu novo produto com taxas de 6% ao ano, e com prazo para proposta em até 10 dias, sem custos e despesas de avaliações dos imóveis que forem aceitos como garantia da operação

O mercado de crédito cresceu no Brasil, muito por causa da pandemia que afetou o país e trouxe dificuldades financeiras para grande parte dos brasileiros. Segundo os dados levantados pelo Serasa Experian, cerca de 4 milhões de domicílios solicitaram crédito para desafogar as dívidas neste período.

Diante desta demanda por busca de crédito, muitas pessoas buscam por opções com juros mais baixos. De olho nesse mercado, a MNTZ Bens recentemente lançou o seu produto de empréstimo no modelo de operação com garantias reais, em parceria com um escritório da XP Investimentos. O prazo para proposta é de até 10 dias, além de ter uma taxa de apenas 6% de juros ao ano.

“Sabemos como um empréstimo pode salvar a vida de alguém. Seja para desafogar uma dívida que tem dado dor de cabeça, ou até mesmo para realizar investimentos em seu negócio. Por isso queremos entregar um produto que seja bom para todos os lados, com taxas justas”, comenta Rodolfo Dias, CEO da MNTZ Bens.

Dentre os ativos aceitos pela empresa para a liberação do empréstimo, estão: casas, apartamentos, lojas, salas, prédios comerciais, indústrias e galpões logísticos. Além disso, outro fator contribui para a taxa ser baixa. A parceria com o escritório da XP, faz com que o encargo caia de 18% para 6% ao ano.

“A quantidade mínima que pode solicitar conosco, para esta modalidade, é de 500 mil reais, com um prazo de carência que varia entre 6 ou 18 meses, além do prazo ser de no mínimo 60 meses e o máximo de 120 meses. Foram processos que pensamos para oferecer o mais completo produto possível”, encerra Rodolfo Dias.

Continue lendo

Destaque