Conecte-se Conosco

Moda

Semana de moda de NY: marca substitui desfile por show com modelos holográficas

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna.

Publicado

em

As estampas psicodélicas criadas digitalmente pela designer Maisie Schloss em suas roupas de festa chiques inspiradas no ciberespaço já estão se sentindo em casa na indústria da moda – setor que está, cada vez mais, olhando para as possibilidades de um futuro virtual.

Durante a New York Fashion Week, ela desenvolveu uma coleção digital para a sua grife Maisie Wilen, e apresentou por meio de modelos holográficos que mediam mais de dois metros de altura.

No fim de semana, os convidados da passarela entraram em uma galeria para encontrar os modelos virtuais alinhados em fila, realizando um conjunto de movimentos repetitivos, como GIFs.

Inspirados nas bonecas da franquia “Monster High”, da Mattel, algumas usavam pintura corporal verde e azul, orelhas e barbatanas de criaturas, enquanto giravam no espaço, balançavam os quadris, apontavam para os convidados e às vezes emitiam choques de relâmpagos ou bolhas azuis animadas.

A coleção retrofuturista tem muitos acenos para mundos virtuais – alguns modelos usavam óculos VR – com algumas silhuetas dos anos 2000, como tops de festa cintilantes, casacos de vinil e vestidos sem costas. Em colaboração com o Yahoo, a estilista queria “realmente que isso servisse como um estudo entre realidade e fantasia – o que faz algo que é real parecer irreal?”, explicou ela em uma chamada de vídeo à CNN.

A estilista de Los Angeles, cuja grife leva o nome de solteira de sua mãe, começou a carreira com Kanye West, trabalhando como assistente na Yeezy e chegando ao cargo de designer de roupas femininas. Três anos atrás, West concedeu a ela a primeira bolsa de seu programa de incubadora e ela fundou sua própria marca.

Continue lendo
1 Comentário

1 Comentário

  1. Jawn Staff

    7 de julho de 2017 às 14:50

    Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem eum fugiat quo voluptas nulla pariatur.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moda

Como escolher sapatos confortáveis ​​para roupas casuais

Publicado

em

De

Os chamados sapatos sociais são sempre um desafio quando o assunto é conforto e funcionalidade. Sua aparência impecável vem com um maior grau de rigidez do corte, tipos de couro e solado usados do que no caso de sapatos casuais.

Muitas vezes, depois de um dia de trabalho usando um par de sapatos oxford, os dedos dos pés ficam dormentes, às vezes até dores nas articulações ou solas. Mas as novas tendências em calçados deram lugar à criatividade e tecnologia, então agora existem variantes de calçados confortáveis que você pode usar para roupas formais.

Quer opte por uma marca que tem fama de conforto, ou opte por modelos híbridos com sola flexível, feitos de materiais inovadores, tem à mão inúmeros modelos para completar o seu estilo.

Sapatos de vestido no sentido moderno

Embora anteriormente apenas sapatos pretos lisos fossem considerados sapatos sociais adequados para negócios ou roupas formais, a evolução dos estilos modernos levou a um vestido mais descontraído, mesmo em ambientes conservadores. Assim, no escritório já pode usar sapatos que contrastam em estilo com o fato de escritório.

Os sapatos de tira Monk, derby, botas Chelsea se enquadram na categoria de sapatos inteligentes aceitos no escritório, mas também modelos híbridos com modelo de sapatos sociais montados na sola derivada das solas para tênis ou botas de trabalho.

O modelo faz a diferença

Como eu disse, as escolhas contemporâneas não se limitam aos sapatos Oxford cujo sistema de cadarço vai apertar sua perna, criando um leve desconforto quando usado a longo prazo. Você pode escolher uma opção mais descontraída, como um modelo Derby, que tem mais flexibilidade e vai deixar seu pé mais relaxado.

A sola é muito importante para o conforto

Os fabricantes de calçados têm feito grandes esforços para trazer mais conforto aos modelos inteligentes. Por exemplo, a sola de borracha, ao contrário da sola de couro, reduz o impacto no calcanhar, a área onde a pressão costuma ser mais sentida.

Alguns modelos usam um acolchoamento de borracha de memória entre a palmilha e a sola para reduzir o impacto ao pisar. Esta é uma alternativa melhor para a versão do material usada anteriormente, que era demorada e perdeu seu fator de absorção de choque.

Qualidade do couro, fator decisivo na escolha de calçados confortáveis

O couro macio e acolchoado e o couro torneado são duas variantes mais flexíveis e, implicitamente, com maior grau de conforto. A única desvantagem é a durabilidade desses sapatos de couro.

Eles podem ser arranhados e danificados muito mais rápido e mais leves do que os feitos de couro mais duro, que geralmente é usado para sapatos sociais.

Conheça o número e a forma do seu pé

Nem todos somos criados de acordo com o mesmo padrão, o que significa que mesmo o padrão clássico de sapato não combina com todos nós. Felizmente, hoje existem inúmeros modelos de sapatos, mais estreitos ou mais largos, com biqueira mais pontiaguda ou mais curta, apenas para se adequar a diferentes tipos de pés.

É importante saber o seu tamanho exato, no entanto, isso pode variar de marca para marca. A melhor maneira de determinar o conforto de seus sapatos é experimentá-los, dar alguns passos com eles e mantê-los em pé por pelo menos 10 minutos para que você tenha tempo de notar qualquer sinal de desconforto.

Conheça a loja Vocca com diversos modelos de sapatos masculinos para você sempre andar no conforto.

Continue lendo

Celebridades

Motoristas da Uber e 99 se organizam para lançar um aplicativo de transporte em SP

At vero eos et accusamus et iusto odio dignissimos ducimus qui blanditiis praesentium voluptatum deleniti atque corrupti.

Publicado

em

De

Foto: Shutterstock

O celular toca solicitando uma nova viagem. Valmir verifica a distância que o separa do passageiro, que espera em um ponto de São Paulo, e o rejeita. “Virei matemático dirigindo”, ironiza este motorista de Uber, obrigado a fazer cálculos para terminar o dia com saldo positivo. “Pelas altas da gasolina, tenho que fazer contas logo para escolher corridas rentáveis, e não acabar dando uma carona para o passageiro”, diz o homem de 56 anos, que há três trabalha para plataformas digitais de transporte na maior cidade na América Latina.

A precarização do ofício está levando esses trabalhadores, que somam 150 mil ativos na cidade, a se organizarem para lançar um aplicativo, que eles dizem ser pioneiro, e concorrer com os gigantes Uber e 99. Nova plataforma Chamada “Me Busca”, a plataforma criada por uma empresa brasileira e apoiada pela Ammasp (Associação de Motoboys e Motoristas de Aplicativos de São Paulo) é, segundo seus idealizadores, a primeira da região a surgir de uma iniciativa de autogestão. Embora já tenha havido um projeto anterior na Colômbia, sem sucesso. Queremos que os motoristas consigam todas as condições que as empresas não proporcionam: melhores remunerações, mais segurança e mais qualidade de vida.

Continue lendo

Moda

Irmãs faturam R$ 6 milhões com brechó e lançam clube de assinatura

Publicado

em

De

Precisando de uma renda extra, no final de 2015, a paulistana Gabriella Wolff, 31, decidiu que venderia as roupas que não usava mais. Estava em um cabeleireiro que sempre frequentava, quando perguntou às funcionárias se elas gostariam de dar uma olhada nas peças. No dia seguinte, levou duas malas cheias. “Vendi tudo em 30 minutos. Me deu um estalo. As clientes ficaram felizes em comprar peças de marca com boa qualidade, e eu vi uma oportunidade”, afirma. Foi o começo da Daz Roupas, brechó de moda que faturou R$ 6 milhões em 2021 com o e-commerce e a loja física.

Os fornecedores são pessoas que querem desapegar de peças que não usam mais. Os itens podem ser enviados por correio ou entregues nas unidades físicas das Daz Roupas — nesses casos, a avaliação é feita na hora. A empresa então paga 30% do valor pelo qual o produto será vendido. “O cliente também pode optar por crédito na loja, e recebe 50% do valor”, diz Gabriella. Por mês, a empresa recebe cerca de 15 mil peças, que são vendidas por R$ 40, em média.

Continue lendo

Destaque