Conecte-se Conosco

Saúde

Mavie: é correto incentivar um bebê de três meses a engatinhar?

Publicado

em

A filha da influenciadora Bianca Biancardi com o jogador Neymar, viralizou ao parecer estar ‘engatinhando’ em vídeo, mas será que isso é saudável para o desenvolvimento do bebê? Fisioterapeuta especialista em neuropediatria alerta para os potenciais riscos associados a estímulos precoces e apresenta dicas adequadas à idade

A recente exposição nas redes sociais de um vídeo onde a filha da influenciadora Bianca Biancardi, com o jogador Neymar, aparentemente engatinha aos três meses de idade, tem levantado questionamentos sobre os limites do estímulo motor em bebês tão jovens. A fisioterapeuta especialista em neuropediatria, Ana Luiza Soares, da Helper Kids, alerta para os potenciais riscos associados a estímulos precoces e enfatiza a importância de respeitar os marcos de desenvolvimento natural do bebê.

Segundo a especialista, bebês de três meses ainda estão em uma fase inicial do desenvolvimento motor. Nessa idade, os músculos e ossos estão se fortalecendo gradualmente para ganhar o controle cervical, que deve estar completo no final do primeiro trimestre. Os movimentos ainda são considerados reflexos, ou seja, conforme a criança encontra um apoio ela o faz. No entanto, Ana destaca que incentivar atividades prematuras, como o engatinhar, pode colocar pressão excessiva nas articulações e músculos aumentando o risco de impactar de forma negativa o desenvolvimento do bebê.

A profissional aconselha prudência e destaca que ao invés do estímulo para engatinhar, o correto é incentivar o “tummy time” (tempo de barriga para baixo) como uma maneira segura e eficaz para o desenvolvimento motor. O “tummy time” fortalece os músculos do pescoço e das costas, preparando o bebê para os estágios seguintes do desenvolvimento, como rolar e engatinhar, quando apropriado.

Para criar formas de incentivo benéficas e adequadas à idade, a fisioterapeuta traz outras dicas para o “tummy time”:

  • Disponha brinquedos à frente do bebê para estimular o levantamento da cabeça e a posição de esfinge;
  • Distribua objetos nas laterais do bebê de forma uniforme, sem exageros. Essa atividade ajuda o bebê a pivotar, uma vez que ele tiver apoio;
  • Nesta fase, o neném deve estar apoiando o corpinho com  o antebraço no chão, subindo a cabeça a 90 graus. Para ajudar, os pais ou responsáveis podem apoiar as mãos no bumbum para dar mais estabilidade e incentivar o movimento esperado para a idade.

Ainda, de acordo com Ana, utilizar almofadas e travesseiros como apoio para o tronco, exige cautela e deve ser feito esporadicamente sempre com orientação profissional, apenas para facilitar o levantamento do peito e dos braços do bebê.

É crucial  lembrar que cada bebê é único, e o desenvolvimento ocorre em seu próprio ritmo. Por isso a importância do acompanhamento de um fisioterapeuta especializado em desenvolvimento infantil que poderá garantir que as atividades de estímulo estejam alinhadas com as necessidades individuais de cada criança, garantindo um crescimento saudável em um ambiente seguro.” ressalta, Ana.

Sobre: Ana Luiza Soares é fisioterapeuta, pós graduada em Fisioterapia Neuropediátrica com 17 anos em UTINeonatal e 6 anos em Ambulatório de seguimento dos bebês de risco. Atualmente, como proprietária e responsável técnica na Helper Kids – clínica de fisioterapia infantil, atua com intervenção precoce em bebês de zero a 24 meses de vida. É especialista em assimetria craniana, órtese craniana, torcicolo congênito, fisioterapia respiratória neonatal e pediátrica. @helperkids (11) 98969-8423

Saúde

Congresso Holístico Internacional: Entrevista com Ana Claudia Teixeira

Publicado

em

De

Congresso Holístico Internacional em Sintra, Portugal, a Dra. Ana Claudia Teixeira, doutora em Psicanálise com cinco certificações internacionais, concedeu uma entrevista exclusiva na qual compartilhou detalhes sobre sua trajetória e seu método inovador de cura espiritual, denominado Cura Estrela Arcturiana.

A Dra. Teixeira relatou o início de sua jornada espiritual e a criação do método Cura Estrela Arcturiana, que surgiu como uma resposta às necessidades de cura de muitas pessoas. Em nove anos de prática, mais de 50 mil pessoas foram atendidas em um projeto social que oferece tratamentos gratuitos, um marco significativo alcançado em apenas um ano e três meses.

https://www.instagram.com/reel/C7W5oCgusoS/?igsh=bTZveGJkdDNrY3N3

No congresso, a Dra. Teixeira também teve a oportunidade de palestrar ao lado de terapeutas renomados, dedicados à cura emocional por meio de diversas técnicas. Ela destacou a importância desses encontros para a troca de conhecimento e o aprimoramento das práticas terapêuticas.

O evento proporcionou um ambiente de aprendizado e desenvolvimento, reafirmando a relevância das abordagens holísticas na promoção da saúde mental e emocional. O Congresso Holístico Internacional, assim, se consolidou como um importante fórum para a discussão e disseminação de práticas inovadoras em terapias alternativas.

Quer conhecer o trabalho de cura deste método inovador? Acesse o link para mais informações: https://go.hotmart.com/B41564061L

Continue lendo

Saúde

Harmonização de orelhas: o fim das “orelhas de abano”

Publicado

em

De

Procedimento está redefinindo padrões de beleza e autoconfiança, oferecendo uma solução segura e eficaz para imperfeições auriculares 

No ano de 2020, houve um aumento de 160% nas pesquisas por procedimentos cirúrgicos no Google. Um dos destaques, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), foi a otoplastia, um procedimento cirúrgico usado para corrigir imperfeições nas orelhas. Apesar de muitas pessoas não darem importância ou repararem nisso, há aqueles que se incomodam com o formato, imperfeições e até mesmo a predisposição genética das orelhas. Entretanto, algumas pessoas sentem receio ou medo em relação a passar por uma cirurgia. A boa notícia é que existe uma técnica segura que está se tornando popular no Brasil.

O procedimento de harmonização das orelhas visa corrigir deformidades estéticas, como proeminências, também conhecidas como “orelhas de abano”, assimetrias, em concha e lóbulos rasgados. Segundo Dra. Camila Mendes, biomédica esteta, o procedimento é seguro, inclusive podendo ser realizado em crianças. “Recomendo que a harmonização seja realizada em crianças a partir dos 8 anos, quando elas já estão totalmente formadas”, explica.

João Marcelo Cruz, de 25 anos, compartilha a importância de ter passado pelo procedimento de correção de suas orelhas de abano. “Fiz a cirurgia aos 10 anos. Minha mãe tomou essa decisão devido às consequências do bullying que eu enfrentava, como não querer frequentar a escola, brincar com os amigos e até mesmo visitar familiares. A dra. Camila explica que esse tipo de angústia é bastante comum. “O impacto é enorme, muitas pessoas optam pela intervenção devido ao desconforto estético percebido por outros e, infelizmente, muitas sofrem com piadas de mau gosto que causam traumas, por vezes irreparáveis”, ressalta.

Segundo a especialista, atualmente existem duas técnicas principais em uso: o procedimento fechado, que emprega fios de sutura para realocar a cartilagem, e a fratura, na qual a cartilagem é quebrada e realocada. Ambas as abordagens exigem uma avaliação clínica minuciosa para determinar a melhor opção para cada paciente, sendo que esse processo inclui uma conversa sobre expectativas, histórico médico e um exame físico. “É de suma importância assegurar que o paciente esteja saudável, tenha expectativas realistas e um desejo genuíno de corrigir as imperfeições sem influências externas”, afirma.

O procedimento normalmente dura em torno de uma hora e meia e é comumente realizado com anestesia local, apresentando pouca variação entre adultos e crianças. Após a operação, é essencial seguir os cuidados pós-cirúrgicos, incluindo o uso de uma faixa de compressão por 7 a 10 dias, aplicação de gelo nos primeiros três dias e a limitação das atividades físicas por 10 a 15 dias. A Dra. Camila desmente um dos mitos sobre o procedimento. “Sendo precisa e sabendo o fio correto a ser utilizado é impossível que a orelha volte a ser como era antes”, conclui.

Para saber mais sobre esse e outros procedimentos, acesse: https://www.instagram.com/dracamilamendes_/

Continue lendo

Saúde

Cinco mitos e verdades sobre a tireoide

Publicado

em

De

Osmar Cassio Saito médico especialista em radiologia e diagnóstico do laboratório CDB Alliança, esclarece as principais dúvidas e reforça a importância de manter os exames em dia

A tireoide é uma glândula em forma de borboleta localizada na parte anterior pescoço, logo abaixo da região conhecida como Pomo de Adão (ou popularmente, gogó). A saúde dela é essencial para o bom funcionamento do corpo humano. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 750 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de alguma patologia da tireoide. Desses, aproximadamente 60% não sabem que têm problemas na glândula. Osmar Cassio Saito médico especialista em radiologia e diagnóstico do laboratório CDB – Alliança e Médico supervisor no setor de Radiologia dos Hospital das Clínicas da USP, explica os mitos e verdades em torno das doenças da tireoide e a importância de a qualquer sinal de disfunção buscar-se um endocrinologista:

1.​Somente adultos tem problema na tireoide – MITO
Crianças também podem apresentar distúrbio na glândula, que pode levá-las a terem problemas de crescimento. A forma mais grave de hipotireoidismo é a congênita, que ocorre no recém-nascido. Se não diagnosticado e não tratado, pode causar retardo mental irreversível. “É importante os pais de acompanharem o desenvolvimento das crianças os levando regularmente ao pediatra para caso haja algum sintoma, o tratamento possa ser logo iniciado. Embora raro, as crianças maiores e adolescentes que apresentem aumento cervical assimétrico do pescoço, poderão estar relacionados a nódulos da tireoide, apesar de a grande maioria ser benigna, uma mínima parcela poderá apresentar tumores de tireoide (0,04 casos por milhão)”, explica o Dr Osmar Saito.

2. Posso saber se tenho uma disfunção com exames de sangue – VERDADE
Os testes que detectam alterações na função tireoidiana envolvem, justamente, medir a dosagem de certos hormônios na circulação sanguínea. “Nem sempre o exame de sangue é suficiente para detectar alteração na glândula, e outros exames, como ecografia, pode ser solicitado para confirmar o quadro”, conta Dr. Osmar Saito.

3.​Toda pessoa com hipotiroidismo engorda. – MITO
Embora o ganho de peso seja uma das manifestações clínicas do hipotireoidismo, existem muitas pessoas portadores da disfunção da tireoide que não apresentam essa queixa. Quando ocorre, o ganho de peso é pequeno. “Muitos pacientes com a doença engordam pelo estilo de vida que levam, mas na maioria dos casos é simplesmente uma questão de mudar hábitos”, relata Dr. Osmar.

4.​Cansaço extremo pode ser alguma alteração na tireoide – VERDADE
Entre alguns dos sintomas relacionados ao hipotiroidismo estão a sonolência excessiva, falta de disposição, lentidão e dificuldade para exercer as tarefas e funções habituais. “Além desses sintomas alguns pacientes relatam também esquecimento fácil, tristeza, intestino preso, ressecamento da pele e dos cabelos e unhas fracas”, explica a Dr. Osmar Saito.

5.​ Todo nódulo de tireoide é câncer – MITO
O principal sinal do câncer de tireoide é um caroço (nódulo) na tireoide, porém em boa parte dos casos, esse tumor não apresenta qualquer sintoma. “É comum o médico descobrir o nódulo durante um exame físico de rotina. O diagnóstico do câncer de tireoide é feito inicialmente com a punção aspirativa por agulha fina (biópsia) do nódulo de tireoide ou após sua remoção por cirurgia. Mas a maioria dos nódulos é benigna” (90%), conclui o radiologista.

Sobre a Alliança:

A Alliança Saúde, um Grupo composto por 15 marcas de referência em diagnósticos por imagem, exames laboratoriais, exames genéticos, medicina nuclear e vacinas. A Companhia foi fundada em 2010 com a fusão de quatro empresas líderes do setor de diagnóstico médico por imagem nas cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Campo Grande e São José dos Campos. Com mais de 5 mil colaboradores e cerca de 1,2 mil médicos parceiros, estamos presentes em 13 estados brasileiros, com 116 unidades de atendimento. Formamos uma Alliança pela qualidade, inovação e alta eficiência no cuidado com os nossos pacientes.

Nossos centros de medicina diagnóstica pelo Brasil são:

· Axial, Nuclear, São Judas Tadeu e Cedimagem (Minas Gerais)
· CDB e Plani (São Paulo)
· Cedimagem, ProEcho e Cepem (Rio de Janeiro)
· CSD (Pará)
· Delfin (Bahia, Paraíba e Rio Grande do Norte)
· Di Imagem e Multilab (Mato Grosso do Sul)
· Multilab (AM)
· Multiscan (Espírito Santo)
· Sabedotti (Paraná)

Entendemos que Allianças criam vínculos. E os vínculos nos tornam mais fortes. É nisso que nós acreditamos e investimos. Por isso, atuamos para transformar a medicina, tornando-a cada vez mais humana, acessível e de qualidade. Para conhecer mais sobre nossas marcas e descobrir como estamos revolucionando o setor de saúde no Brasil, acesse nosso site: https://www.allianca.com/ .

Informações à imprensa – FSB
Amanda Carvalho: amanda.carvalho@fsb.com.br | (61) 99603.7078
Joana Fróes: joana.froes@fsb.com.br

Continue lendo

Destaque