Conecte-se Conosco

Negócios

O processo de publicação de um livro: desafios e conquistas no mercado editorial

Publicado

em

O caminho para a publicação de um livro no Brasil é uma jornada complexa e repleta de desafios, especialmente em um mercado que tem mostrado sinais de retração no início de 2023, mas que ainda assim guarda espaço para o crescimento e a inovação. “A Revolta do Buraco”, de José Filipe Faro, não foi exceção, enfrentando todos os obstáculos inerentes ao processo de trazer uma nova obra ao público.

José Filipe Faro, ao detalhar o processo criativo por trás de “A Revolta do Buraco”, enfatiza a importância de abordar temas sociais contemporâneos de maneira provocativa. “Desde o início, quis que o livro fosse um espelho das complexidades do nosso tempo, misturando ficção e realidade para desafiar o leitor a refletir sobre o mundo ao seu redor”, afirma Faro.

Enfrentando o Mercado Editorial

O mercado editorial brasileiro, conforme relatório do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e análises da Nielsen, enfrentou uma queda de 12,93% em volume e 7,61% em faturamento no início de 2023 comparado ao mesmo período do ano anterior. Este cenário desafiador reflete as dificuldades encontradas por Faro e sua equipe na busca por uma editora que compartilhasse da visão do livro e estivesse disposta a investir em uma obra que transgredisse as convenções literárias.

A Escolha da Editora e o Design da Capa

Após um meticuloso processo de seleção, Faro optou por uma editora que não apenas entendia a mensagem por trás de “A Revolta do Buraco”, mas também estava comprometida com a promoção de obras que dialogassem com as questões sociais e políticas atuais. “A escolha da editora foi crucial. Queríamos alguém que nos permitisse manter a integridade da obra sem ceder a pressões comerciais”, explica Faro.

O design da capa, elemento importante para atrair a atenção dos leitores, foi concebido como uma representação visual da fusão entre ficção e realidade, um dos temas centrais do livro. “A capa precisava provocar curiosidade e reflexão, servindo como um convite à leitura”, comenta Faro.

Curiosidades e Desafios

Uma das curiosidades do processo de publicação de “A Revolta do Buraco” foi a decisão de incorporar elementos de marketing digital e estratégias de relações públicas para alcançar um público mais amplo, refletindo a crescente importância das vendas online no mercado de livros. Em 2023, 55% dos livros foram comprados pela internet, com a Amazon dominando dois terços das compras virtuais de livros físicos no Brasil.

Faro também enfrentou o desafio de posicionar uma obra literária em um mercado que tem visto um declínio no número de leitores e compradores de livros. Apenas 16% da população brasileira acima de 18 anos comprou ao menos um livro em 2023. Isso exigiu uma abordagem criativa para engajar os leitores e incentivar a discussão sobre os temas abordados no livro.

“A Revolta do Buraco”, mais do que um livro, é um testemunho dos desafios e possibilidades dentro do mercado editorial brasileiro. José Filipe Faro, através de sua obra, convida à reflexão sobre temas sociais urgentes, ao mesmo tempo em que navega pelas complexidades de publicar e promover literatura em um ambiente cada vez mais digital e seletivo. Este projeto não é apenas um marco literário, mas também um exemplo de persistência e inovação no cenário editorial atual.

Sobre o livro: “A Revolta do Buraco”

“A Revolta do Buraco” mistura ficção e realidade de maneira inovadora, apresenta a jornada de Rosa, uma personagem que simboliza o anseio universal por liberdade e igualdade. A trama desafia os leitores a refletirem sobre o papel do coletivo na criação de uma nova sociedade e o poder transformador da autodeterminação e política em um contexto social opressivo.

Rosa vive em uma comunidade controladora, onde todos são subjugados e explorados. Determinada a buscar uma vida melhor, ela se une a um grupo de amigos, iniciando uma jornada de autodescoberta e emancipação. A história levanta questões críticas sobre igualdade, justiça social e a divisão do trabalho, explorando a possibilidade de construir uma comunidade com direitos iguais e carga de trabalho equitativamente distribuída.

“A Revolta do Buraco” utiliza a ficção para espelhar realidades sociais, criando um diálogo entre o leitor e o mundo ao seu redor. José Filipe Faro, conhecido por sua habilidade em abordar temas complexos de forma simples e envolvente, expressa a importância dessa abordagem ao afirmar: “Acredito que a literatura infanto-juvenil é uma poderosa ferramenta para despertar o interesse dos jovens pela política. Ao mesclar aventura e reflexão, podemos cultivar cidadãos conscientes e críticos desde cedo.”

Recomendar “A Revolta do Buraco” como parte do incentivo à leitura é uma estratégia inteligente para não apenas desenvolver o gosto pela leitura, mas também para cultivar o pensamento crítico e o entendimento do funcionamento da sociedade. Ao explorar esse universo literário, os jovens leitores terão a oportunidade de ampliar sua visão de mundo e se tornarem cidadãos mais conscientes e participativos, como destaca o autor.

Sobre José Filipe Faro

José Filipe Faro, formado em Publicidade pela Universidade Metodista, é uma figura notável na área de marketing e ativismo social. Iniciou sua carreira em agências de publicidade, seguida pela gestão da metalúrgica familiar, onde adquiriu experiência prática em administração e finanças. Seu espírito empreendedor o levou a co-fundar a Wheyme, uma vending machine de Whey Protein, conquistando clientes como SmartFit e JustFit.

Em 2018, Faro co-criou o Clube do Minhoca, um espaço de stand-up em São Paulo, com o humorista Patrick Maia, e também colaborou na fundação de uma produtora de conteúdo audiovisual e editora de livros focada em comédia. Seu engajamento em questões sociais cresceu ao participar de projetos como a Estamparia Social e uma cooperativa do MST na distribuição de alimentos desde 2020. Este percurso diversificado inspirou Faro a iniciar a escrita de um livro, unindo suas experiências em arte, ativismo e política.

Continue lendo

Negócios

Governança de Inteligência Artificial é a nova fronteira do ESG

Publicado

em

De

Por Alexandre Pegoraro (*)

A lógica de que a humanidade deve controlar a Inteligência Artificial o mais rápido possível ao invés de permitir que ela controle os humanos no futuro tem desencadeado uma verdadeira corrida em todo o mundo em busca das melhores formas de garantir o uso ético dessa tecnologia. Todo este movimento intenso em torno do tema, trabalha no sentido de transformar a Governança de IA na nova fronteira do ESG tendo a letra ‘G’ na posição de protagonismo.

Só para ter ideia da proporção de importância que o tema alcançou, basta uma rápida retrospectiva para constatar que em novembro do ano passado, durante o evento AI Safety Summit, no Reino Unido, 28 países, incluindo o Brasil, assinaram a chamada Declaração de Bletchley onde assumem uma série de compromissos neste sentido.

Mais recentemente, no final de março, os 193 Estados-membros das Nações Unidas aprovaram por consenso uma resolução proposta pelos Estados Unidos sobre a governança da Inteligência Artificial (IA).

Enquanto isso, a União Europeia já avançou ainda mais com a aprovação de sua própria lei a respeito do assunto. É importante ressaltar que essa nova legislação prevê a aplicação de multas que chegam a 35 milhões de euros ou 7% do volume de negócios das organizações nos casos em que se comprove o uso de sistemas de IA proibidos sem a devida diligência na aplicação desta tecnologia.

No Brasil, o debate também avança tendo como mais recente movimento uma Carta Aberta assinada por 39 entidades ligadas à inovação dos mais diferentes segmentos econômicos defendendo a tese de que o Marco Regulatório da Inteligência Artificial no Brasil deve levar em conta as normas setoriais, as estruturas e experiências já existentes, contando com cooperação institucional e uma avaliação dos impactos da regulação sobre o desenvolvimento econômico, a inovação e a competitividade.

O texto deste documento, aliás, traz à tona uma das maiores preocupações dos especialistas que é a necessidade de evitar que o excesso de regulamentação para cumprir os objetivos de ética, segurança e governança, acabe por travar o desenvolvimento da IA em todo o seu potencial de gerar negócios e soluções que, na prática, beneficiam a própria humanidade.

Neste sentido, os chamados Sandbox Regulatórios surgem como uma ferramenta eficiente, permitindo a experimentação de inovações em um ambiente controlado, sujeito a requisitos atípicos. Essa prática busca encontrar um equilíbrio entre regulamentação e inovação, evitando excessos regulatórios e possibilitando que os reguladores ajustem seu arcabouço legal com base nas necessidades do mercado e na compreensão das dinâmicas em evolução.

Seja como for, consultorias globais como o Gartner, por exemplo, recomendam que as organizações implementem um programa de governança de IA para catalogar e categorizar casos de uso de IA e resolver quaisquer instâncias banidas o mais rápido possível.

Isto porque, segundo o vice-presidente analista dessa instituição, Nader Henein, quase todas as organizações estão expostas à Lei de IA porque não são apenas responsáveis pelas capacidades de IA que constroem, mas também pelas capacidades que já adquiriram.

Dessa forma, a primeira ação a tomar seria descobrir e catalogar os recursos habilitados para IA com detalhes suficientes para a avaliação de risco subsequente.

Para isso, é necessário que não só a própria empresa, mas também seus fornecedores e desenvolvedores, realizem a descoberta e listagem de cada sistema habilitado para IA implantado em toda a organização. Isto facilitará a categorização subsequente num dos quatro níveis de risco descritos na lei europeia, por exemplo, que são: sistemas de IA de baixo risco, sistemas de IA de alto risco, sistemas de IA proibidos e sistemas de IA de uso geral.

Como se vê, é um desafio enorme e deve começar a ser enfrentado de uma forma prática o quanto antes. A governança, tida até então como a letra menos glamourosa na comparação com o social e a sustentabilidade, começa a virar o jogo do mundo ESG.

(*) Alexandre Pegoraro, CEO do Kronoos, plataforma SaaS para compliance que realiza pesquisas em milhares de fontes para conferir a idoneidade de pessoas e empresas.

Continue lendo

Negócios

A nova onda do Branding Pessoal: a chave para autoridade e aumento de vendas

Publicado

em

De

Na era digital, a criação de uma marca pessoal forte não é apenas uma vantagem competitiva, mas uma necessidade para profissionais e empresários que desejam destacar-se no mercado. O branding pessoal envolve a definição estratégica de quem você é, o que representa e como isso se alinha às necessidades do seu público-alvo. Esta prática não só melhora a percepção pública, mas também aumenta as oportunidades de carreira, vendas e autoridade nas redes sociais.

Anna Evans, especialista em branding da Eve Comunica, enfatiza a importância de uma marca pessoal bem construída: “A marca pessoal é o reflexo direto de suas crenças, valores e capacidades. Ao posicionar-se claramente, você não apenas atrai as oportunidades certas, mas também estabelece uma conexão autêntica com seu público, o que é fundamental para a construção de confiança e credibilidade.”

Impacto do Branding Pessoal nas Vendas e Redes Sociais

Segundo estudos recentes, da HubSpot, cerca de 77% dos compradores tendem a confiar mais e fazer negócios com empresas cujos líderes têm uma presença ativa e positiva nas redes sociais. A representação autêntica de uma marca pessoal nas redes sociais não apenas humaniza o profissional, mas também fortalece relações comerciais e aumenta as vendas de maneira significativa.

O branding pessoal eficaz ajuda a diferenciar-se em mercados saturados, criando uma identidade única que ressoa com o público. Isso se traduz em uma maior visibilidade e reconhecimento, essenciais para a captação de novos clientes e para manter a fidelidade dos já existentes. Além disso, uma marca pessoal forte pode facilitar a transição para o empreendedorismo, ajudando a estabelecer uma base sólida para novos negócios.

Estratégias para Construir uma Marca Pessoal Impactante de acordo com Anna Evans:

  1. Definição de Propósito e Valores: O primeiro passo para construir uma marca pessoal é definir claramente seus valores, propósitos e o que você deseja que as pessoas associem a você. Isso deve refletir suas paixões, especialidades e o impacto que deseja causar.
  2. Consistência Visual e Comunicacional: Manter uma consistência em todos os pontos de contato com o público, desde a foto do perfil até as publicações nas redes sociais, é crucial para reforçar sua identidade de marca. Isso inclui a escolha cuidadosa de suas palavras, imagens e temas que você aborda
  3. Engajamento e Autoridade: Estabelecer-se como uma autoridade no seu campo através de conteúdo relevante e educativo pode aumentar significativamente seu reconhecimento e respeitabilidade. Compartilhar insights, interagir com seguidores e participar de discussões são práticas que fortalecem a percepção de expertise
  4. Redes de Contato: Expandir sua rede de contatos e interagir com outros profissionais não só amplia sua visibilidade, mas também abre portas para novas oportunidades de negócios e colaborações.

“Ao seguir estas estratégias, profissionais de todas as áreas podem aproveitar o poder do branding pessoal para impulsionar suas carreiras, aumentar suas vendas e estabelecer uma presença dominante nas redes sociais”, finaliza Anna Evans.

Sobre Anna Evans

Anna Evans é uma especialista em branding e estratégia digital renomada, com um histórico impressionante no gerenciamento de crises e na inovação, incluindo reality shows. Sua habilidade em moldar a percepção pública e construir marcas pessoais duradouras foi comprovada em vários momentos marcantes da televisão.

Além da gestão de crises, Anna se destaca na construção de narrativas que ressoam com o público em diversas plataformas. Seu sucesso em orientar e trabalhar com marcas, incluindo com gastronomia  é um testemunho de sua visão estratégica e da confiança depositada.

Um dos cases de sucesso foi a estratégia criada para a marca  “Cenoradas”, a primeira marca de bolo de cenoura do mundo, onde criou todo o planejamento estratégico para levar os produtos para todo o Brasil.

Como especialista em branding, Anna Evans traz uma riqueza de experiência e um profundo entendimento das nuances da televisão realidade e influência digital. Suas percepções e previsão estratégica a tornam um recurso valioso para qualquer discussão, painel ou evento focado em mídia, entretenimento e o poder da imagem na era digital.

Continue lendo

Negócios

A Revolução visual e audiovisual no mundo dos negócios: a chave para a sobrevivência empresarial

Publicado

em

De

Anna Evans, especialista em estratégia digital, ilustra como o poder transformador do visual e audiovisual são vitais para o futuro das empresas no mercado digital

Em um mundo cada vez mais digital, a importância do visual e do branding para as empresas não pode ser subestimada. Um estudo da Brain Rules revela que as pessoas lembram de 65% das informações quando acompanhadas de imagens, em comparação com apenas 10% quando as informações são apresentadas de forma textual. Isso destaca a necessidade urgente das empresas investirem nessa área para se manterem competitivas.

Anna Evans, especialista em estratégia e posicionamento digital, enfatiza a importância dessa tendência. “O branding e o audiovisual são fundamentais para criar uma experiência imersiva e memorável para o cliente. As empresas que ignorarem essa realidade correm o risco de ficar para trás“, alerta Evans.

A integração do visual com o audiovisual é crucial para o sucesso. Segundo o relatório State of Video Marketing 2021 da Wyzowl, 86% dos consumidores desejam ver mais conteúdo em vídeo das marcas que apoiam. Além disso, um estudo da HubSpot indica que o uso de imagens de alta qualidade pode aumentar a taxa de conversão em até 40%.

No entanto, não se trata apenas de estética. A consistência visual e a narrativa coerente são essenciais para construir uma marca forte e confiável. “Uma estratégia bem elaborada de visual e audiovisual pode elevar a percepção da marca e fortalecer a conexão com o público“, explica Evans.

As empresas que reconhecem a importância do branding e do audiovisual estão investindo pesadamente nessa área. De acordo com a pesquisa State of Video Marketing 2021 da Wyzowl, 86% das empresas usam o vídeo como ferramenta de marketing, um aumento significativo em comparação com anos anteriores.

Em conclusão, a mensagem é clara: o branding e o audiovisual são elementos cruciais para o sucesso das empresas na era digital. Como afirma Anna Evans, “Investir em uma estratégia robusta de visual e audiovisual não é mais uma opção, mas uma necessidade para as empresas que desejam prosperar no mercado atual”.

Sobre Anna Evans

Anna Evans é uma especialista em branding e estratégia digital renomada, com um histórico impressionante no gerenciamento de crises e na inovação, incluindo reality shows. Sua habilidade em moldar a percepção pública e construir marcas pessoais duradouras foi comprovada em vários momentos marcantes da televisão.

Como a estrategista por trás da persona pública de Biel em “A Fazenda 12”, Anna demonstrou sua expertise em navegar pelas dinâmicas de audiência e influência midiática, levando-o ao segundo lugar. Sua compreensão profunda das interações entre público e mídia garantiu que a imagem de Biel fosse cuidadosamente gerenciada e positivamente recebida.

Além da gestão de crises, Anna se destaca na construção de narrativas que ressoam com o público em diversas plataformas. Seu sucesso em orientar e trabalhar com marcas, incluindo com gastronomia é um testemunho de sua visão estratégica e da confiança depositada.

Um dos cases de sucesso foi a estratégia criada para a marca “Cenouradas”, a primeira marca de bolo de cenoura do mundo, onde criou todo o planejamento estratégico para levar os produtos para todo o Brasil.

Como especialista em branding, Anna Evans traz uma riqueza de experiência e um profundo entendimento das nuances da televisão realidade e influência digital. Suas percepções e previsão estratégica a tornam um recurso valioso para qualquer discussão, painel ou evento focado em mídia, entretenimento e o poder da imagem na era digital.

Continue lendo

Destaque