Conecte-se Conosco

Turismo

Coronel Weliton Propõe Iniciativa para Impulsionar Turismo Sustentável no Parque Nacional do Caparaó

Publicado

em

Da Visão à Ação: A Importância Estratégica dos Novos Acessos ao Pico da Bandeira

O Coronel Weliton está liderando esforços junto ao governo do estado do Espírito Santo para viabilizar a abertura de dois novos acessos ao Pico da Bandeira, conforme delineado no plano de manejo do ICMBio. Esta iniciativa visa impulsionar o turismo sustentável no Parque Nacional do Caparaó, uma joia do turismo capixaba localizada na divisa entre Espírito Santo e Minas Gerais, com cerca de 80% do território pertencendo ao Espírito Santo.

A importância do turismo sustentável se destaca como catalisador para o desenvolvimento do Estado, engajando não apenas o poder público, mas também empreendedores e a comunidade, promovendo senso de pertencimento. Esta atividade não apenas gera empregos e renda, mas também movimenta uma rede de setores, incluindo restaurantes, pousadas, hotéis, artesanatos e prestadores de serviços. Além disso, contribui para agregar valor ao principal produto agrícola da região: o café, que ostenta os melhores cafés especiais do Brasil.

A proposta de abertura de acessos, especialmente um situado no território de Ibitirama, onde o Pico da Bandeira está localizado, e outro pela trilha dos 7 Cumes, com início no Distrito de São João do Príncipe, Iúna, é considerada imprescindível para a diversificação econômica e transformação positiva da região.

Na qualidade de Presidente da Comissão de Turismo e Desporto da Assembleia Legislativa, o Coronel Weliton está empenhado em transformar esse projeto em realidade, buscando apoio do Estado, União e sociedade civil organizada. A articulação visa a implementação urgente de políticas públicas transversais, incluindo melhorias em infraestrutura, segurança e saúde, para potencializar o turismo na região, aprimorando estruturas e a competitividade.

O Estado do Espírito Santo, além de apresentar estabilidade econômica e governabilidade, exibe uma vocação natural para todas as modalidades de turismo, aproveitando sua localização estratégica e excelentes condições logísticas através de rodovias, portos, aeroportos e ferrovias.

Em um contexto pós-pandemia, no qual a busca por experiências próximas à natureza traduz-se em qualidade de vida, o Espírito Santo se destaca. Graças a uma combinação de fatores favoráveis, o turismo capixaba oferece a melhor relação entre qualidade, custo e benefício.

Sejam todos bem-vindos ao Espírito Santo, um Estado verdadeiramente abençoado, onde a visão de futuro do Deputado Coronel Weliton busca promover desenvolvimento sustentável e oportunidades para todos.

Continue lendo

Turismo

Ilha da Madeira comemora 25 anos da Floresta Laurissilva como Patrimônio Mundial da Unesco

Publicado

em

De

Atração é considerada uma herança ambiental de valor imensurável para o destino e o mundo

A Ilha da Madeira é um destino português famoso por sua natureza exuberante, com vegetação exótica e colorida e paisagens dramáticas, que incluem penhascos debruçados sobre o mar, jardins com flores únicas e, em especial, uma floresta de conto de fadas que mais parece cenário de filme: a Floresta Laurissilva – que, em 2024, comemora 25 anos listada como Patrimônio Mundial da Unesco.

Considerada uma herança ambiental de valor imensurável, esta floresta de cerca de 20 milhões de anos está presente em uma porção pequena e privilegiada do globo: a Macaronésia, região onde se encontram os arquipélagos Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde. No entanto, é na Madeira que fica a maior e mais bem conservada extensão deste ecossistema, somando cerca de 15 mil hectares que correspondem a 20% do território da ilha.

Esta floresta úmida subtropical é composta majoritariamente por espécies endêmicas da Macaronésia, com destaque para as árvores centenárias, em especial da família das lauráceas (às quais a Laurissilva deve o seu nome) que são frondosas e imponentes, como o loureiro, o til, o barbusano e o vinhático. Como é um ecossistema úmido, mesmo os troncos das árvores são cobertos por musgo, o que deixa a floresta ainda mais verde. Complementando o visual grandioso estão orquídeas da serra, gerânios cor-de-rosa e os belíssimos massarocos, que colorem o cenário de violeta.

E os visitantes podem conferir toda essa beleza natural de perto em alguns trechos da floresta, percorrendo veredas e levadas que cruzam esta enorme mancha verde no território madeirense. Vale ressaltar que as levadas da Madeira integram a Lista Indicativa de Portugal a Patrimônio Mundial desde 2017 e, em 2023 se tornaram candidatas oficiais ao Patrimônio Mundial da Unesco.

As levadas representam um antigo sistema de canais de irrigação, construídos há mais de 400 anos, que levam água da parte norte da ilha para a região sul, somando mais de 200 levadas ao longo de cerca de 3 mil quilômetros. Existem percursos para todos os gostos e todos os ritmos. Assim, qualquer pessoa, de qualquer idade, pode explorar as veredas e as levadas da Madeira. São dezenas de percursos e incontáveis cenários para apreciar em caminhadas e outras atividades pela Floresta Laurissilva.

Entre as possibilidades estão a Levada dos Cedros, com 7,2 quilômetros de extensão, o Caminho do Norte, com 3,2 quilômetros e uma belíssima vegetação, e a vereda das Funduras, com 8,7 quilômetros e uma vista arrebatadora oferecida pelo Mirante da Portela logo no início. Outro ponto que mais parece uma floresta de contos de fadas é a Vereda do Fanal, uma trilha que percorre trechos da ilha que estão acima de 1,1 mil metros de altitude, o que significa que a área constantemente se cobre com neblina, dando um ar mágico ao local, onde há também tis centenários e magníficos, árvores endêmicas da laurissilva da Macaronésia.

Sobre a Ilha da Madeira

Considerado o melhor destino insular do mundo, a Madeira é um pequeno paraíso português situado em meio à imensidão do Oceano Atlântico. De origem vulcânica, sua localização privilegiada proporciona clima ameno e mar com temperatura agradável o ano inteiro, além de impressionantes cenários de montanhas, vales e penhascos, todos cobertos pela exuberante vegetação Laurissilva, nomeada Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco. O arquipélago é formado por um conjunto de ilhas, sendo Madeira e Porto Santo as principais e únicas habitadas. Há excelentes opções em balneários, monumentos históricos e ótimos hotéis e restaurantes, onde se pode provar a deliciosa gastronomia e os premiados vinhos madeirenses. Para mais informações acesse www.madeiraallyear.com.

Continue lendo

Turismo

Tudo que Você Precisa Saber Antes de Fazer um Safári na África

Publicado

em

De

Um safári na África é uma experiência transformadora que oferece encontros únicos com a vida selvagem e paisagens deslumbrantes. No entanto, para garantir que a aventura seja segura e gratificante, é essencial estar bem preparado. A seguir, reunimos informações e dicas valiosas com a ajuda de Carol Caro, especialista em destinos exóticos e líder da Excursy, agência especializada em safáris africanos.

1. Escolha do Destino

“A África é um continente vasto com uma variedade incrível de parques nacionais e reservas de vida selvagem”, explica Carol. Os destinos mais populares incluem o Parque Nacional Serengeti na Tanzânia, conhecido pela migração anual, e o Parque Nacional Kruger na África do Sul, que oferece uma das melhores infraestruturas para visitantes. Outras opções incluem o Delta do Okavango em Botsuana e a Reserva Nacional de Masai Mara no Quênia.

2. Melhor Época para Visitar

A melhor época para um safári varia dependendo da região e do que você espera ver. “Para quem deseja observar a grande migração na Tanzânia, os melhores meses são de julho a outubro. Já para avistar predadores em ação, os meses de estiagem, geralmente de junho a outubro, são ideais, pois os animais se reúnem em torno dos poucos pontos de água”, aconselha Carol.

3. Saúde e Vacinação

Antes de embarcar para a África, é crucial verificar as vacinas necessárias. “Vacinas contra febre amarela, tétano e hepatite A são geralmente recomendadas, além da profilaxia contra malária em áreas endêmicas”, informa Carol. Além disso, é recomendável contratar um seguro viagem que cubra condições médicas emergenciais.

4. O que vestir no Safari

  • A melhor maneira de se aproximar da vida selvagem é misturar-se o máximo possível com o ambiente, tornando-se neutro. Use roupas verdes, marrons e cáqui para não atrair atenção desnecessária. Para a África do Sul, cáqui é a cor recomendada.

  • Os tecidos leves e respiráveis minimizam o ruído ao caminhar. As camadas são uma ótima maneira de levar luz, mas permanecer aquecido. As temperaturas podem ser amenas nos safaris matinais, quentes à tarde e frias à noite. As camadas permitem que você remova a roupa para ficar confortável conforme as temperaturas flutuam.
  • Camisas arejadas de mangas compridas com gola protegem seus braços e pescoço do sol.
  • Calças de combate são perfeitas com muitos bolsos para guardar sua câmera, protetor solar e binóculos.
  • Uma jaqueta leve ou lã é ótima para uma camada extra de calor caso você precise. O velo é ótimo porque também seca rápido.
  • Os tênis confortáveis são adequados para a maioria dos safáris, até mesmo para safáris a pé. Você pode esperar entrar e sair do veículo de safári com frequência e fazer algumas caminhadas leves pelo mato.
  • Os chapéus são uma forma fantástica de proteger a cabeça e o rosto do sol em um veículo de safári aberto e têm o benefício adicional de reduzir o brilho para uma melhor visualização da caça.
  • Óculos de sol devem ser usados para bloquear os raios nocivos e os óculos polarizados cortam o brilho para garantir que você não perca nada.
  • Não se esqueça de levar traje de banho se sua pousada tiver piscina.

O que NÃO vestir no Safari

  • Não traga roupas de cores vivas ou estampas ocupadas. Isso chamará a atenção para você e assustará a vida selvagem
  • Evite roupas camufladas, pois alguns países africanos reservam esse padrão apenas para militares.
  • As cores escuras atraem o tsé-tsé, então fique longe de roupas azuis escuras ou pretas – elas causam uma mordida dolorosa!
  • Roupas claras mostrarão rapidamente a sujeira e manchas, já que em ambientes naturais é comum encontrar poeira, lama e sujeira.

Respeito à Vida Selvagem e às Normas Locais

O que fazer:

  • Siga as regras e regulamentos do parque. 
  • Ouça o guia e siga as instruções dadas por ele. É vital respeitar as regras do parque e manter uma distância segura dos animais em seu habitat natural. 
  • Respeite os animais e mantenha uma distância segura. 
  • Observe os animais com calma e evite fazer barulhos altos ou movimentos bruscos.
    Embale todo seu  lixo e jogue em local adequado. 

O que NÃO fazer:

  • Alimentar os animais ou deixar a comida sem vigilância.
  • Aproxime-se muito dos animais ou tente tocá-los.
  • Faça barulhos altos ou movimentos bruscos que possam assustar os animais.
  • Use fotografia com flash ou perturbe os animais durante os momentos de descanso ou alimentação

“Lembre-se de que estamos em seu habitat e devemos observá-los sem interferir em seu comportamento natural”, enfatiza Carol. Também é importante apoiar práticas de turismo responsável que contribuam para a conservação ambiental e para o bem-estar das comunidades locais.

6. Escolha do Guia e do Operador de Safári

Um bom guia faz toda a diferença em um safári. Opte por operadores de safári com boas avaliações e que empreguem guias locais experientes. “Guarde um tempo para pesquisar e escolher um operador que respeite as diretrizes de turismo sustentável e sua segurança pessoal”, recomenda Carol.

Conclusão

Um safári africano é mais do que uma viagem; é uma imersão em um mundo diferente que exige preparação e respeito pelo ambiente e pelas culturas locais. Com essas dicas de Carol Caro da Excursy, sua aventura na África certamente será inesquecível e enriquecedora.

Continue lendo

Turismo

Nova Zelândia é o 7º destino educacional na preferência dos estudantes brasileiros

Publicado

em

De

(Lançamento dos dados aconteceu na sede da Pearson, em São Paulo, e foi acompanhada por agentes do setor. Imagem: gráfico extraído da apresentação realizada pela Belta)

  • Qualidade de ensino das Instituições educacionais da Nova Zelândia reflete na pesquisa da Associação das Agências Brasileiras de Intercâmbio (Belta) apresentada nesta quinta-feira (23/05); mapeamento foi realizado entre março e abril de 2024 com estudantes e agências de intercâmbio de todas as regiões do Brasil

De acordo com pesquisa da Belta (Brazilian Educational & Language Travel Association) divulgada nesta quinta-feira (23/05), a Nova Zelândia ocupa a sétima posição na lista dos destinos educacionais preferidos por estudantes brasileiros. A apuração feita pela Belta, que reúne empresas do setor de intercâmbio no Brasil, ouviu 836 intercambistas e 569 agentes de educação internacional.

(Imagem: gráfico extraído da apresentação realizada pela Belta)

A escolha do destino é justificada pelas ótimas posições da Nova Zelândia em diversos rankings internacionais de qualidade de vida, educação, proteção de direitos civis, transparência governamental e segurança/direitos para as mulheres. Outros fatores também indicam o país como uma escolha acertada: a legislação que permite estudar e trabalhar durante o intercâmbio, a facilidade de obtenção de visto e a existência de belezas naturais e atrações culturais.

(Fatores que influenciaram a escolha do destino internacional.
Imagem: gráfico extraído da apresentação realizada pela Belta)

O principal objetivo dos estudantes ao participar de um intercâmbio é poder realizar o sonho de conhecer países e culturas diferentes (39,6%); e o segundo é o interesse de investir em idiomas (27,2%), sendo que a maioria (77%) escolhe estudar a língua inglesa ao viajar.

A qualidade de ensino é mais uma das razões indicadas pelos pesquisados ao escolherem a Nova Zelândia. Todas as universidades do país estão ranqueadas entre as 2% melhores do mundo pelos principais índices internacionais, como QS World Universities e THE – Times Higher Education.

Índices favorecem posição

Os dados da Pesquisa Selo Belta 2024 reforçam a indicação internacional do índice Better Life, que mede variáveis que compõem a qualidade de vida de países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Nessa apuração, a Nova Zelândia figura como um dos melhores países do mundo para se viver, apresentando expectativa de vida de cerca de 82 anos, um ano a mais do que a média da OCDE.

O pequeno país da Oceania também é reconhecido como uma das nações que melhor educa para o futuro – o país ocupa a terceira posição (é primeiro entre os países de língua inglesa) do ranking mundial realizado e divulgado pela revista The Economist.

Continue lendo

Destaque